Petrobras. Relacionamento com Investidores

Petrobras

Relações com Investidores

Gasoduto Urucu - Manaus

Rio de Janeiro, 01 de Junho de 2006 – PETRÓLEO BRASILEIRO S/A - PETROBRAS, [Bovespa: PETR3/PETR4, NYSE: PBR/PBRA, Latibex: XPBR/XPBRA, BCBA: APBR/APBRA], uma companhia brasileira de energia com atuação internacional, comunica que iniciou hoje a obra do gasoduto Coari-Manaus, que levará o gás natural da província petrolífera de Urucu, no município de Coari (AM), até a capital amazonense.

O gasoduto Urucu-Manaus terá 670 quilômetros de extensão e sua conclusão está prevista para março de 2008. Em sua primeira fase de operação, o gasoduto transportará 4,7 milhões de metros cúbicos de gás natural por dia. O principal destino do insumo será a produção de energia elétrica, em termelétricas, para atender Manaus e os municípios pelos quais passará a tubulação. O gás natural substituirá o diesel e o óleo combustível usados atualmente na produção de toda a energia elétrica consumida pelo Amazonas.

Atualmente, há apenas um duto que leva gás liquefeito de petróleo (GLP) da base de produção, em Urucu, até Coari. Um duto paralelo a este, com 285 quilômetros de extensão, será construído para escoar o GLP (GLPduto), enquanto que o antigo duto passará a transportar o gás natural. No trecho seguinte, entre Coari e Manaus, o gasoduto terá 385 quilômetros, totalizando 670 quilômetros entre Urucu e Manaus.

Outros 125 quilômetros de dutos serão construídos para levar o produto às sedes dos municípios de Coari, Codajás, Anori, Anamã, Caapiranga, Manacapuru e Iranduba, que estão no trajeto do gasoduto.

Já foram investidos aproximadamente R$ 500 milhões nos preparativos para o início das obras, na abertura de cerca de 30 clareiras ao longo do traçado do gasoduto. Também foram adquiridos e armazenados nas respectivas clareiras todos os tubos de 10” e 20”.

O gasoduto Urucu – Manaus é composto por três trechos. O primeiro deles, o trecho A, é o GLPduto Urucu-Coari, que será realizado pelo consórcio OAS/Etesco, por aproximadamente R$ 342,6 milhões. O segundo trecho, B-1, ligando por gasoduto Coari a Anamã, ainda está em fase final de negociação, depois de ter tido a licitação cancelada por preço excessivo, e não tem executor nem preço definidos. No trecho Anamã-Manaus, o gasoduto será construído pelo Consórcio Camargo Correa/Skanska, por um valor aproximado de R$ 428 milhões.

A obra está sendo financiada com recursos do Banco Nacional de Desenvolvimento Social (BNDES) através de estruturação financeira que conta com a sociedade de propósito específico Transportadora Urucu Manaus S/A, responsável pelos dois projetos.

Além da vantagem econômica, a substituição representará enorme ganho ambiental para o País, pois a produção de energia elétrica a partir do gás natural reduz significativamente a emissão de gases poluentes, em especial o dióxido de carbono (CO2), contribuindo para a redução do efeito estufa e em linha com o Protocolo de Kioto, do qual o Brasil é signatário.

Última atualização em 

Close