Petrobras. Relacionamento com Investidores

Petrobras

Relações com Investidores

Petrobras conclui transferência de refinarias para a YPFB

(Rio de Janeiro, 26 de junho de 2007). – PETRÓLEO BRASILEIRO S/A - PETROBRAS, [Bovespa: PETR3/PETR4, NYSE: PBR/PBRA, Latibex: XPBR/XPBRA, BCBA: APBR/APBRA], uma companhia brasileira de energia com atuação internacional, comunica que concluiu esta manhã, em Santa Cruz de La Sierra, Bolívia, a transferência para a YPFB da totalidade das ações da empresa Petrobras Bolivia Refinación S.A. (PBR), proprietária das refinarias de Santa Cruz e Cochabamba. A YPFB torna-se proprietária da totalidade das ações da Petrobras Bolivia Refinación S.A., que terá seu nome alterado para refletir a presença do novo controlador, responsável por todos seus ativos e passivos, incluindo o suprimento de derivados de petróleo na Bolívia.    

A PBR foi constituída em 1999, com o nome de Empresa Boliviana de Refinación S.A., para operar as refinarias Guilhermo Elder Bell, em Santa Cruz de la Sierra, e Gualberto Villaroel, em Cochabamba, compradas por US$ 102 milhões pelo consórcio formado pela Petrobras e Perez Companc, esta última posteriormente adquirida pela Petrobras.

A partir da decisão do governo boliviano, em 1º de maio de 2006, de nacionalizar 50% mais uma das ações da PBR, a companhia passou a negociar uma indenização prévia e justa com as autoridades daquele país. A Petrobras condicionou sua permanência na sociedade à manutenção das suas políticas de segurança, saúde, meio-ambiente e recursos humanos na operação das refinarias.

Ao mesmo tempo, a Petrobras contratou um banco de investimentos para realizar uma avaliação independente do valor das ações, sob os critérios comumente adotados neste tipo de transação empresarial, especialmente o fluxo de caixa descontado, o mais usado e conhecido deles.

À medida que as negociações avançaram tornou-se claro que a venda da totalidade das ações à YPFB seria a solução que melhor atenderia ao interesse das partes envolvidas, Petrobras e YPFB.

Com este objetivo, a Petrobras apresentou, em 11 de maio de 2007, uma proposta final, no valor de US$ 112 milhões, para a venda das ações. Este valor é compatível com a avaliação independente realizada utilizando-se o critério do fluxo de caixa descontado. Nesta avaliação não foram considerados os efeitos da medida adotada pelas autoridades bolivianas que proibia exportações de hidrocarbonetos pela PBR.  

Após a aceitação daquela oferta pela YPFB, a primeira parcela do pagamento, no valor de US$ 56 milhões, foi depositada no dia 11 de junho, ao mesmo tempo em que foi entregue uma carta de garantia bancária, assegurando o pagamento da segunda parcela, no mesmo valor, em até 60 dias.

Ao longo dos sete anos em que esteve no comando das refinarias, a Petrobras aumentou continuamente a produção de combustíveis, reduzindo o déficit existente em alguns casos e gerando excedentes para exportação em outros. Com o uso de tecnologia e de modernos métodos de gestão, tornou as refinarias mais produtivas, seguras e eficientes. A Petrobras estabeleceu suas primeiras atividades relevantes na área de refino e distribuição no exterior com a operação das refinarias bolivianas, ajudando a fortalecer a sua marca, hoje reconhecida em diversos países.

A força de trabalho que atua nas duas refinarias recebeu continuo treinamento e aprimoramento. Ao transferir as refinarias para a YPFB, a Petrobras obteve das autoridades bolivianas a garantia de manutenção dos postos e das condições de trabalho de seus colaboradores. De acordo com o novo contrato de seguro, não poderá haver alterações substanciais na conformação da força de trabalho das refinarias para que a apólice continue em vigor.

Durante o período em que foram controladas pela Petrobras, as atividades das refinarias bolivianas produziram um lucro acumulado de US$ 139 milhões, dos quais US$ 126 milhões foram distribuídos aos acionistas sob a forma de dividendos. Com a venda das ações por US$ 112 milhões, a Petrobras encerra as suas atividades de refino na Bolívia com um retorno adequado do capital investido.

A partir da entrega das duas refinarias, a Petrobras fica impossibilitada de garantir a qualidade dos produtos oferecidos aos consumidores finais na Bolívia, razão pela qual decidiu retirar sua imagem dos 26 postos de serviço que ostentam sua marca nas diferentes regiões do país.

A marca Petrobras, lançada na Bolívia em 2001, revolucionou o sistema de abastecimento de combustíveis no país, incorporando os conceitos inovadores de Estação Integrada de Serviços e de controle sistemático da qualidade dos produtos vendidos. Da mesma forma os lubrificantes Lubrax, que em 2006 atingiram 27% de participação no mercado boliviano, deixam de ser fabricados e comercializados pela Petrobras no país.

Última atualização em 

Close