Petrobras. Relacionamento com Investidores

Petrobras

Relações com Investidores

Esclarecimento sobre BM-S-22

Rio de Janeiro, 10 de julho de 2009 – PETRÓLEO BRASILEIRO S/A - PETROBRAS, em resposta ao oficio da Comissão de Valores Mobiliários - CVM/SEP/GEA-2/n.204/2009 esclarece sobre notícias veiculadas nos jornais O Globo e Valor Econômico, sob o titulo “Poço no pré-sal não tem petróleo” e de “Papéis da Petrobras caem com notícia sobre poço seco”.

O Bloco BM-S-22 localizado na Bacia de Santos, é operado pelo Consórcio formado pela Exxon Mobil (40% - operadora), Hess Corporation (40%) e Petrobras (20%). Segundo cláusulas dos contratos do Consórcio (como o Joint Operation Agreements) e cláusula do contrato de concessão assinado pelo Consórcio junto a Agencia Nacional do Petróleo, Gás Natural e Biocombustíveis - ANP somente o operador da área pode comunicar eventos, tais como resultado de perfuração de poços, ao ente regulador, assim como ao mercado em geral.

O Consórcio comunicou a ANP, através do Operador, a conclusão da perfuração do segundo poço na área do BM-S-22. Porém, como não foi detectado indícios de óleo, não se torna necessário o envio de nenhuma comunicação adicional à ANP, conforme determina a legislação vigente e nem ao mercado. Além disso, a Companhia vem informando ao mercado de forma recorrente a impossibilidade de se pronunciar sobre os blocos operados por outras empresas.

É importante ressaltar que, em toda atividade exploratória do petróleo, existe o risco do poço ser seco (não se encontrar hidrocarbonetos em quantidade adequada à comercialização). Um poço seco, portanto, é algo recorrente da indústria do petróleo e não fato extraordinário. Adicionalmente, o resultado de um poço seco não torna conclusiva a comercialidade do bloco.

No caso do pré-sal, segundo informações amplamente divulgadas pela Companhia, os seis blocos operados pela companhia na Bacia de Santos apresentaram índice de sucesso de 100%. É entendimento da Petrobras que são improváveis as ocorrências de poços secos, fora dos padrões normais da indústria de petróleo, nessa área do pré-sal da Bacia de Santos, devido ao conhecimento dos modelos geológicos, da quantidade de dados sísmicos e do número de poços já perfurados com sucesso.

Em relação à notícia sobre as ações da Petrobras, a Companhia esclarece que o comportamento das ações está relacionado a diversos fatores, tais como desempenho da economia brasileira e mundial, taxa de câmbio, desempenho operacional e financeiro da Companhia, dentre tantos outros. Ademais como empresa do setor de óleo, a oscilação do preço das ações da Petrobras está altamente correlacionada com os movimentos dos preços do petróleo no mercado internacional, que vem apresentando acentuada volatilidade. O petróleo Brent caiu 3,4% em 08/07 e acumulou queda de 5,9% na semana (de 06/07 à 08/07), enquanto as ações preferenciais da Companhia caíram 0,8% e 3,1% respectivamente. Em conseqüência, torna-se difícil identificar um fator ou conjunto de fatores conjunturais que expliquem claramente o desempenho das ações da Companhia negociadas em bolsa de valores no Brasil e no exterior.

Última atualização em 

Close