Petrobras. Relacionamento com Investidores

Petrobras

Relações com Investidores

Investimento na Refinaria Abreu e Lima

Rio de Janeiro, 26 de agosto de 2009 – PETRÓLEO BRASILEIRO S/A - PETROBRAS, em relação às notícias veiculadas na imprensa a respeito dos investimentos planejados para a construção da Refinaria Abreu e Lima, em Pernambuco, esclarece que, conforme divulgado em 26 de março de 2008, a Companhia assinou com a empresa estatal venezuelana de petróleo - PDVSA contrato com as bases da constituição de uma sociedade para a implantar a Refinaria.

Ao final de 2006, com a conclusão do projeto conceitual - Fase II, o grau de definição dos requisitos técnicos e de planejamento projetava o início de operação da Refinaria para o segundo semestre de 2010, atingindo a carga plena em 2011. A capacidade de processamento era de 200 mil barris de petróleo por dia, sendo os investimentos estimados em US$ 4,06 bilhões, com variação de -15% a +30%, com base na taxa de câmbio de R$ 2,50/US$.

Ao longo do período de 2007 a 2009, no desenvolvimento da fase de projeto básico - Fase III, o grau de definição dos requisitos técnicos e de planejamento do projeto foi incrementado. A melhor definição do escopo técnico das unidades, o incremento do conhecimento das características do petróleo a ser processado, bem como a análise dos resultados das simulações de refino, permitiram o redimensionamento da capacidade de processamento e a identificação de alterações para otimizar o desempenho técnico e econômico da Refinaria.  Em conseqüência, a capacidade de processamento de petróleo foi elevada para 230 mil barris por dia, as unidades de processamento foram adaptadas para atendimento aos novos requisitos de qualidade dos derivados, o cronograma de implantação e o perfil dos investimentos foram atualizados. O início de operação foi projetado para 2011 e os investimentos estimados em US$ 12,00 bilhões, com variação de -10% a + 20%.

O aumento do investimento planejado pode ser explicado principalmente pelos seguintes fatores: (a) aumento da capacidade de refino e a inclusão de novos sistemas para melhoria da qualidade dos derivados, (b) aumento significativo dos preços dos equipamentos e serviços em comparação com os originalmente orçados em função do aquecimento da indústria do petróleo, decorrente da elevação das cotações internacionais do preço do petróleo ao longo dos últimos anos, e (c) depreciação do dólar frente ao Real, pois a maior parte dos investimentos contratados será em Real, e ao converter esses custos a soma em dólares aumenta.

É importante esclarecer que o total do investimento está em avaliação e ainda será submetido à aprovação da Diretoria Executiva com a atualização do Estudo de Viabilidade Técnica e Econômica (EVTE).

Atualmente as obras da Refinaria encontram-se na fase de conclusão da terraplanagem. As licitações das principais unidades que a compõe ainda não foram concluídas. Recentemente a Companhia cancelou as licitações referentes às Unidades de Destilação Atmosférica, Coqueamento Retardado, Hidrotratamento e Geração de Hidrogênio, Estação de Tratamento de Dejetos Industriais e o conjunto de encomendas referente a Tubovias e as interligações,  por considerar excessivos os preços ofertados pelos proponentes. A Companhia está em negociação com os proponentes que ofertaram os menores preços, com objetivo de reduzir o custo total da refinaria. Nas recentes negociações durante os processos em andamento, ainda que não concluídos, já foi possível verificar redução dos preços ofertados.

A Petrobras manterá o mercado informado sobre as atividades de implantação da Refinaria, em cumprimento ao que determina a lei e a regulamentação editada pela Comissão de Valores Mobiliários.

Última atualização em 

Close