Resultados Financeiros

Acesse as informações sobre as nossas divulgações trimestrais de resultados.

Veja as apresentações, os áudios e transcrições dos webcasts. Confira os RMFs, ITRs e outras informações sobre as nossas divulgações trimestrais de resultados.

Rio de Janeiro, 21 de março de 2016 – RESULTADOS CONSOLIDADOS DO QUARTO TRIMESTRE DE 2015 - Auditados pelos auditores independentes de acordo com os padrões internacionais de contabilidade (International Financial Reporting Standards – IFRS).

• Prejuízo de R$ 34.836 milhões em 2015 e de R$ 36.938 milhões no 4T-2015, ocasionado por:
i) impairment de ativos e de investimentos, principalmente em função do declínio dos preços do petróleo e incremento nas taxas de desconto, reflexo do aumento do risco Brasil pela perda do grau de investimento (R$ 49.748 milhões); e
ii) despesas de juros e perda cambial (R$ 32.908 milhões).

• Redução de R$ 8.931 milhões no prejuízo operacional em 2015 (R$ 21.322 milhões em 2014 e R$ 12.391 milhões em 2015).

• EBITDA ajustado de R$ 73.859 milhões em 2015, 25% superior a 2014 pelos maiores preços de diesel e gasolina, além da redução dos gastos com participações governamentais e importações de petróleo e derivados.

• Fluxo de caixa livre positivo de R$ 15.626 milhões em 2015, comparado ao fluxo de caixa livre negativo de R$ 19.554 milhões em 2014.

• Endividamento líquido de US$ 100.379 milhões em 31.12.2015, 5% inferior em relação a 31.12.2014.

• Aumento do prazo médio da dívida de 6,10 anos em 31.12.2014 para 7,14 anos em 31.12.2015.

• Investimentos de R$ 76.315 milhões, 12% inferior a 2014 (R$ 10.825 milhões).

Prejuízo
R$ 36,9 bilhões

Produção
2.777 mil bbl/dia

EBITDA Ajustado
R$ 17.064 milhões

Principais Destaques

Destaques do exercício de 2015:
• Crescimento de 4% da produção de petróleo e gás natural da Petrobras (Brasil e exterior);
• Menores gastos com importações de petróleo e derivados;
• Redução dos gastos com participações governamentais;
• Redução de 9% na demanda de derivados no mercado doméstico (224 mil barris/dia); e
• Aumento de 55% das exportações de petróleo (128 mil barris/dia).

Destaques do 4T-2015:
• Impairment de ativos, principalmente de exploração e produção (R$ 46.390 milhões);
• Redução de 1% da produção de petróleo e gás natural da Petrobras (Brasil e exterior);
• Redução 5% na demanda de derivados no mercado doméstico (111 mil barris/dia);
• Aumento de 6% das exportações de petróleo (22 mil barris/dia); e
• Menores despesas financeiras líquidas devido à redução da perda cambial (R$ 6.516 milhões).

Áudio da Divulgação dos Resultados 4T15

Rio de Janeiro, 12 de novembro de 2015 - RESULTADOS CONSOLIDADOS DO TERCEIRO TRIMESTRE DE 2015 - Revisados pelos auditores independentes de acordo com os padrões internacionais de contabilidade (International Financial Reporting Standards – IFRS).

. O lucro líquido de jan-set/2015 foi de R$ 2.102 milhões, 58% inferior a igual período de 2014. Prejuízo de R$ 3.759 milhões no 3T-2015.
. O lucro operacional de jan-set/2015 foi de R$ 28.635 milhões, 149% superior a igual período de 2014.
. O EBITDA ajustado de jan-set/2015 foi de R$ 56.795 milhões, 45% superior a igual período de 2014.
. O endividamento líquido em 30.09.2015 foi de US$ 101.273 milhões, 5% inferior em relação a 31.12.2014.
. O prazo médio da dívida aumentou de 6,10 anos em 31.12.2014 para 7,49 anos em 30.09.2015.

Prejuízo
R$ 3,8 bilhões

Produção
2.800 mil bbl/dia

EBITDA Ajustado
R$ 15.506 milhões

Principais Destaques
R$ milhões
Período Jan - Set

 

 

 

 

 

2015

2014

2015 x 2014 (%)

 

3T-2015

2T-2015

3T15 x 2T15 (%)

3T-2014

2.102

5.013

(58)

Lucro líquido (Prejuízo) - Acionistas Petrobras

(3.759)

531

(808)

(5.339)

28.635

11.504

149

Lucro (Prejuízo) operacional

5.813

9.487

(39)

(4.921)

56.795

39.083

45

EBITDA ajustado

15.506

19.771

(22)

8.488

 

O lucro líquido de R$ 2.102 milhões no período de jan-set/2015, 58% inferior a igual período de 2014, refletiu o aumento das despesas financeiras líquidas. O acréscimo de 149% no lucro operacional decorreu das maiores margens de venda dos derivados no mercado interno e do maior volume de exportação de petróleo, devido ao aumento de 7% na produção no país, apesar da redução da demanda no mercado doméstico.

Destaques do período de jan-set/2015:

. Crescimento de 6% da produção de petróleo e gás natural da Petrobras (Brasil e exterior);
. Aumento das exportações de petróleo (60%, 132 mil barris/dia);
. Menor demanda de derivados no mercado doméstico (8%, 195 mil barris/dia);
. Menores gastos com importações e participações governamentais; e
. Aumento das despesas financeiras líquidas, que alcançaram R$ 23.113 milhões, devido à perda cambial e ao acréscimo nas despesas com juros, reflexo do maior endividamento e menor capitalização em ativos em construção.

Destaques do 3T-2015:

. Crescimento de 1% da produção de petróleo e gás natural da Petrobras (Brasil e exterior);
. Maior demanda de derivados no mercado doméstico (1%, 32 mil barris/dia);
. Redução das exportações de petróleo (10%, 40 mil barris/dia); e
. Aumento de R$ 5.396 milhões nas despesas financeiras líquidas devido à perda cambial.

Áudio da Divulgação dos Resultados 3T15

Rio de Janeiro, 6 de agosto de 2015 - RESULTADOS CONSOLIDADOS DO PRIMEIRO SEMESTRE DE 2015 - Revisados pelos auditores independentes de acordo com os padrões internacionais de contabilidade (International Financial Reporting Standards – IFRS).

O lucro líquido do 1S-2015 foi de R$ 5.861 milhões, 43% inferior em relação ao 1S-2014.
O lucro operacional do 1S-2015 alcançou R$ 22.822 milhões, 39% superior em relação ao 1S-2014.
O EBITDA ajustado do 1S-2015 foi de R$ 41.289 milhões, 35% superior em relação ao 1S-2014.

 

Lucro Líquido
R$ 0,5 bilhões

Produção
2.765 mil bbl/dia

EBITDA Ajustado
R$ 19.771 milhões

Principais Destaques
R$ milhões
1º  Semestre

 

 

 

 

 

2015

2014

2015 x 2014 (%)

 

2T-2015

1T-2015

2T15 x 1T15 (%)

2T-2014

5.861

10.352

(43)

Lucro líquido - Acionistas da Petrobras

531

5.330

(90)

4.959

22.822

16.425

39

Lucro operacional

9.487

13.335

(29)

8.848

41.289

30.595

35

EBITDA ajustado

19.771

21.518

(8)

16.246

 

O lucro líquido de R$ 5.861 milhões, 43% inferior ao 1S-2014, reflete o aumento das despesas financeiras líquidas e o reconhecimento de despesa tributária de IOF, em parte compensados pelo acréscimo de 26% no lucro bruto, tendo em vista as maiores margens de venda dos derivados no mercado interno e o maior volume de exportação de petróleo decorrente do aumento de 9% na produção no país, apesar da redução da demanda no mercado doméstico.

 

Destaques do 1S-2015:

• Maior produção de petróleo e LGN no país (9%, 183 mil barris/dia);
• Aumento da exportação de petróleo (107%, 178 mil barris/dia);
• Menor demanda de derivados no mercado doméstico (7%, 168 mil barris/dia);
• Menores gastos com importações e participações governamentais;
• Reversão da provisão para perdas com recebíveis do setor elétrico em março de 2015 (R$ 1.295 milhões);
• Aumento das despesas financeiras líquidas, que alcançaram o montante de R$ 11.669 milhões, devido principalmente à perda cambial, além do acréscimo nas despesas com juros, reflexo do maior endividamento e da menor capitalização em ativos em construção; e
• Provisão de imposto de renda e contribuição social sobre lucros auferidos no exterior (R$ 1.097 milhões).

Destaques do 2T-2015:

• Menor produção de petróleo e LGN no país (2%, 38 mil barris/dia);
• Aumento das exportações de petróleo (44%, 124 mil barris/dia);
• Aumento da produção de derivados no Brasil (7%, 134 mil barris/dia) e maior carga processada (6%, 109 mil barris/dia), mantendo a participação do óleo nacional em 86%;
• Recebimento relativo ao seguro do incidente ocorrido no campo de Chinook (EUA) em 2011 (R$ 259 milhões);
• Recebimento referente a valores repatriados pelo Ministério Público Federal na Operação Lava Jato (R$ 157 milhões);
• Reconhecimento de despesa tributária de IOF que, incluindo juros e já líquida de impostos, totalizou o montante de R$ 3.931 milhões; e
Impairment em ativos das áreas de Gás e Energia, Abastecimento e Exploração e Produção devido à exclusão de projetos da carteira de investimentos contemplada no Plano de Negócios e Gestão – PNG, no horizonte de 2015 a 2019 (R$ 1.283 milhões).

Áudio da Divulgação dos Resultados 2T15

Rio de Janeiro, 15 de Maio de 2015 - Petrobras divulga seus resultados consolidados do 1T-2015 revisados pelos auditores independentes, expressos em milhões de reais, de acordo com os padrões internacionais de contabilidade (International Financial Reporting Standards – IFRS).   

O lucro líquido e o EBITDA ajustado do 1T-2015 foram de R$5.330 milhões e R$ 21.518 milhões, respectivamente.

Lucro Líquido
R$ 5,3 bilhões

Produção
2.803 mil bbl/dia

EBITDA Ajustado
R$ 21.518 milhões

Principais Destaques

R$ milhões

1º Trimestre                  

 

 

2015

2014

2015 x 2014 (%)

 

4T-2014

1T15 X 4T14 (%)

 

 

 

 

 

 

 5.330

 5.393

 (1)

Lucro líquido (prejuízo) consolidado atribuível aos acionistas da Petrobras

 (26.600)

120

 2.803

 2.531

 11

Produção total de petróleo e gás natural (mil bbl/dia)

 2.799

 21.518

 14.349

 50

EBITDA ajustado

 20.057

 

A Companhia apresentou lucro líquido de R$ 5.330 milhões no 1T-2015, tendo como principais destaques em relação ao 4T-2014:


•    Efeito integral dos reajustes de 5% no preço do diesel e de 3% no preço da gasolina ocorridos em 7 de novembro de 2014;
•   Menores custos das vendas, refletindo a redução dos gastos e dos volumes com importações de petróleo e derivados;
•      Redução da receita com exportações, influenciada pela menor cotação do Brent (29%) no mercado internacional;
•   Menor venda de derivados no mercado interno (10%) devido à sazonalidade do consumo e ao menor nível de atividade econômica;
•      Despesas financeiras líquidas de R$ 5.621 milhões;
•    Em março, a Companhia atingiu recorde na produção média mensal de petróleo de 672 mil barris por dia no pré-sal (em 11 de abril foi alcançada a marca de 800 mil barris por dia de produção de petróleo no pré-sal, configurando novo recorde); e
•     Entrada em operação da plataforma P-61 no campo de Papa-Terra (Bacia de Campos) e do sistema de produção antecipada do campo de Búzios (Bacia de Santos), além de iniciada a produção do campo Hadrian South em águas ultraprofundas no Golfo do México.


No 1T-2015, a depreciação de 20,8% do real em relação ao dólar gerou efeitos no resultado, patrimônio e indicadores da Companhia, sem impactos significativos em termos de fluxo financeiro líquido, conforme destaques abaixo:

 

Itens de resultado, patrimônio e indicadores

R$ milhões

 

 

Resultado (receitas, custos, despesas operacionais e resultado financeiro)

redução de 1.426

Disponibilidades no exterior

aumento de 9.788

Financiamentos em moeda estrangeira

aumento de 55.110

Hedge accounting (Patrimônio Líquido)

redução de 18.137

 

 

Endividamento líquido / EBITDA ajustado

aumento de 0,64X

Alavancagem

aumento de 4,5pp

Áudio da Divulgação dos Resultados 1T15