Comunicados e Fatos Relevantes

Confira a íntegra dos nossos Comunicados e Fatos Relevantes divulgados ao mercado.

Plano Estratégico 2040 e Plano de Negócios e Gestão 2019-2023

05/12/2018

Rio de Janeiro, 05 de dezembro 2018 – Petróleo Brasileiro S.A. – Petrobras informa que seu Conselho de Administração aprovou, em reunião realizada ontem, o Plano Estratégico 2040 (PE 2040) e o Plano de Negócios e Gestão 2019-2023 (PNG 2019-2023), elaborados de forma integrada.

Plano Estratégico 2040

O Plano Estratégico traz uma nova visão de empresa integrada de energia, alinhada com as necessidades e a evolução dos hábitos da sociedade, que buscará cada vez mais diversificação nas fontes e usos da energia. O foco em óleo e gás, presente na visão do plano anterior e ainda importante para os próximos anos, dará mais espaço para outras fontes de energia, no horizonte até 2040.

A empresa explicita o seu propósito e reafirma os seus valores:

As estratégias da companhia foram ajustadas, definindo o foco de suas ações por segmento de negócio, tendo em vista a transição para uma economia de baixo carbono, os riscos relativos à concentração geográfica e de commodity, detalhadas a seguir:
 
Exploração e Produção
Maximizar o valor da Petrobras por meio da gestão ativa do portfólio de E&P;
Garantir a sustentabilidade de produção de óleo e gás, priorizando a atuação em águas profundas.
 
Gás Natural
Otimizar a posição no segmento de gás natural e energia no Brasil e desenvolver posições no mercado global, por meio de parcerias.
 
Refino, Transporte, Comercialização e Petroquímica
Maximizar o valor da Petrobras por meio de uma gestão ativa do portfolio de refino, logística, comercialização e petroquímica integrados às atividades de produção de óleo e gás nacionais;
Sair dos negócios de fertilizantes, distribuição de GLP e das participações e produção de biodiesel e etanol.
 
Renováveis
Atuar em negócios de energia renovável de forma rentável, com foco em eólica e solar no Brasil.
 
Estratégias Corporativas
Desenvolver as competências críticas e uma cultura de alto desempenho para atender aos novos desafios da companhia;
Preparar a Petrobras para um ambiente mais competitivo apoiando-se na eficiência de custos, escala e transformação digital;
Avaliar as parcerias atuais e futuras buscando a integridade e a criação de valor;
Fortalecer a credibilidade, o orgulho e a reputação da Petrobras junto aos nossos públicos de interesse.
 
Plano de Negócios e Gestão 2019-2023
 
Integrado ao Plano Estratégico, o Plano de Negócios e Gestão detalha o planejamento operacional, com foco em segurança, bem como o planejamento financeiro e a busca pela rentabilidade dos nossos negócios para os próximos cinco anos.
 
O Plano incorpora uma nova métrica de topo, buscando garantir a rentabilidade, além de manter as métricas de segurança e de redução da dívida, que orientam as estratégias da companhia:
Taxa de Acidentados Registráveis por milhão de homens-hora (TAR) abaixo de 1,0 em 2019; 
Dívida líquida/EBITDA ajustado abaixo de 1,5 em 2020;
Retorno sobre o capital empregado (ROCE) acima de 11% em 2020.
 
Para as entregas do Plano, foram consideradas as seguintes premissas:
A carteira de investimentos do PNG 2019-2023 soma US$ 84,1 bilhões e foi construída tendo em vista três motores centrais de geração de valor para a companhia:
 

A exploração e produção continua como o mais importante motor de geração de valor da companhia, permanecendo o foco no desenvolvimento da produção em águas profundas, notadamente nas áreas do pré-sal. O refino, transporte e comercialização continuarão atuando de forma integrada ao E&P, mas com um novo modelo de participação da Petrobras, considerando parceria com outras empresas, e no caso da petroquímica, uma melhor exploração do seu potencial de integração com o refino. Com a expansão da produção de gás, a companhia buscará maior geração de valor, considerando o gás natural como veículo de crescimento e de estabelecimento de uma posição global para a Petrobras. A companhia também buscará parcerias em negócios de energia elétrica renovável, como um novo motor de geração de valor com foco no futuro sustentável da companhia.

Produção de Óleo, LGN e Gás Natural

Em 2019, o crescimento da produção de óleo será de 10% no Brasil e de 7% na produção total, em virtude da entrada em operação de 5 novos sistemas em 2018 e mais 3 em 2019. Ao longo do Plano, está prevista a entrada em operação de 13 novos sistemas. Para o período entre 2020 e 2023, a produção total de óleo e gás natural terá um crescimento médio de 5% ao ano.

A contínua eficiência de custos e o custo de extração no pré-sal inferior a US$ 7/boe conduzirão o custo de extração médio para níveis inferiores a US$ 10/boe a partir de 2020. 

Reposicionamento em Refino

O Plano prevê o reposicionamento em refino, por meio de parcerias nos clusters Nordeste e Sul, que representam 40% da capacidade de refino instalada no Brasil, permitindo o compartilhamento dos riscos do negócio e o estabelecimento de um setor mais dinâmico, competitivo e eficiente, além de geração de liquidez para a companhia.

Sustentabilidade

Esse Plano traz também um compromisso com a descarbonização de processos e produtos, com estabelecimento de crescimento zero das emissões absolutas operacionais no horizonte até 2025 tendo 2015 como referência, mesmo com o aumento da produção. Estão sendo estabelecidas metas de redução de intensidade de emissões em 32% do E&P e 16% no Refino entre 2015 e 2025, quando atingiremos 15 kg CO2e/boe no E&P e 36 kg CO2e/t CWT no Refino. 

Financiabilidade

Através da disciplina de custos, redução da dívida e compromisso com a rentabilidade, a companhia estima uma geração de fluxo de caixa livre robusta no período do PNG.

A Petrobras dará continuidade aos projetos de desinvestimentos já anunciados e continuará com parcerias e desinvestimentos orientados pela gestão ativa de portfólio, com potencial de entrada de caixa no período do Plano de US$ 26,9 bilhões.

Essas iniciativas, associadas a uma geração operacional de caixa estimada em US$ 114,2 bilhões, após dividendos, impostos e contingências, permitirão à Petrobras realizar seus investimentos e reduzir seu endividamento, sem necessidade de novas captações líquidas no horizonte do PNG.

A companhia buscará uma estrutura ótima de capital, com alavancagem (endividamento líquido/(endividamento líquido+patrimônio líquido)) em torno de 25%. Será mantida a política de remuneração aos acionistas e eventual alteração na distribuição de dividendos levará em conta a redução dos indicadores de endividamento e novas oportunidades de investimento.
 
Gestão de Riscos
 
A Petrobras continua mapeando seus principais riscos e adotando iniciativas específicas para o aprimoramento da sua gestão, incluindo a identificação e o planejamento de ações de mitigação, de modo a permitir resposta tempestiva e adequada, em qualquer cenário.
 
Dentre os principais riscos identificados no horizonte do PNG 2019 - 2023, destacam-se:
Execução dos grandes projetos; 
Política comercial;
Realização de parcerias e desinvestimentos;
Processos judiciais e contingências;
Continuidade operacional.