Comunicados e Fatos Relevantes

Confira a íntegra dos nossos Comunicados e Fatos Relevantes divulgados ao mercado.

Declaração de Comercialidade da área noroeste de Libra, no pré-sal da Bacia de Santos

30/11/2017

Rio de Janeiro, 30 de novembro de 2017 – Petróleo Brasileiro S.A. – Petrobras, como operadora, em nome do consórcio de Libra, informa que apresentou, hoje, à Agência Nacional de Petróleo, Gás Natural e Biocombustíveis (ANP), a Declaração de Comercialidade da acumulação de petróleo, localizada na porção noroeste do bloco de Libra, no pré-sal da Bacia de Santos.

Também foi submetido à ANP o Relatório Final do Plano de Avaliação da Descoberta (PAD) do poço 2-ANP-2A-RJS, poço descobridor do reservatório de Libra em 2010.

Na declaração encaminhada ao órgão regulador, a denominação sugerida para o novo campo é Mero e o volume recuperável total estimado é de 3,3 bilhões de barris de óleo.

O campo de Mero está localizado a cerca de 180 km da costa do Rio de Janeiro, em águas ultra profundas e apresenta reservatórios de carbonato de alta qualidade com alta produtividade. Durante a fase exploratória e de avaliação, oito poços de extensão foram perfurados na área do PAD, identificando reservatórios com óleo de boa qualidade e alto valor comercial -  29º API.

O primeiro óleo do campo foi produzido através do FPSO Pioneiro de Libra, por meio de um Teste de Longa Duração, com o objetivo de avaliar o comportamento do reservatório de petróleo e ampliar o conhecimento das características da jazida, visando otimizar o desenvolvimento futuro do campo, conforme divulgado ao mercado em 27 de novembro de 2017.

O consórcio planeja dar continuidade ao desenvolvimento da produção por meio de quatro novos sistemas de produção a serem instalados no campo de Mero e dará continuidade à fase exploratória do restante da área de Libra, cujo prazo foi estendido por mais 27 meses.

O consórcio de Libra é liderado pela Petrobras – com participação de 40% - em parceria com a Shell (20%); Total (20%); CNPC (10%) e CNOOC Limited (10%), tendo a Pré-Sal Petróleo S.A. (PPSA) como gestora do Contrato de Partilha da Produção.